Beata Madalena Albrici

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Considerando uma de suas maiores satisfações pertencer à Ordem, foi uma admirável promotora da vida agostiniana. Ela jamais pedia a outros para fazer qualquer coisa que ela mesma não tivesse feito.

Madalena Albrici nasceu em Como (Itália) por volta de 1415. De família nobre e abastada, e por causa da fé religiosa da família, seus meios financeiros e posição social, os pais de Madalena puderam proporcionar-lhe uma boa educação cristã.

Quando tinha 20 anos decidiu entrar para a vida religiosa movida pelo grande amor que sentia pelo Senhor. Seu plano inicial de ingressar em outra comunidade mudou depois que ela escolheu ingressar em uma comunidade mais pobre e remota que seguia a Regra de Santo Agostinho. Essa comunidade ficava num local chamado Brunate.

As vocações aumentaram e a comunidade cresceu com a admissão de várias jovens. Cresceu a tal ponto que transformou-se em um mosteiro e recebeu o nome de Santo André.

Madalena Albrici desejava que as irmãs fossem aceitas oficialmente na Ordem de Santo Agostinho. Seu desejo de que o mosteiro fosse incorporado à Ordem Agostiniana foi realizado em 1455.

Assim, em 1455 a Congregação Agostiniana da Lombardia aceitou a jurisdição da comunidade. Tal fato foi aprovado definitivamente pelo Papa Pio II no dia 16 de julho de 1459.

Madalena considerava uma glória pertencer à Ordem Agostiniana. Enamorada da espiritualidade agostiniana, ela foi uma promotora das vocações à vida religiosa por causa de seu zelo, exemplo, instrução e inspiração.

Madalena Albrici tornou-se uma admirável propagadora da vida Agostiniana em toda a Lombardia. Muitas mulheres (e homens também) se tornaram afiliados aos agostinianos por causa dela.

Graças à sua ação, muitas consagradas que tinham vida comum, passaram à vida religiosa da Ordem. Desta forma cresceu de forma notável a família agostiniana com o acréscimo numérico considerável de vocações e mosteiros.

Madalena incitava constantemente às irmãs de comunidade para serem cada vez mais santas. Mais que pedir, ela vivia isso por palavras e exemplos. Ela reavivou a simplicidade e a austeridade nas comunidades religiosas de sua área. Ela obtinha sucesso pois jamais pedia a outros para fazer alguma coisa que ela mesma não tivesse feito.

Seu modo de ser e o que ela exigia das irmãs pode parecer difícil pelos moldes de hoje em dia. No entanto, sua inteligência e senso prático, combinados com seu forte espírito religioso, eram atrativos para os de sua geração.

Madalena foi abadessa (superiora) quase toda a sua vida. Tal responsabilidade ela manteve, exceto por breves intervalos, até a sua morte. As irmãs que com ela conviviam eram aconselhadas à sempre preferir o caminho da humildade.

Madalena mesma preferia ser súdita que superiora. Como superiora, ela preferia servir e não ser servida. Preferia obedecer que mandar. Mesmo com o cargo de superiora, sua atitude foi de serviço às irmãs e não de uso da autoridade e do poder.

Madalena era também uma mulher sensível e prática e que possuía um talento natural para os afazeres domésticos. 


Ela foi uma mulher de grande amor e uma visão singular que inspirou outros pelo seu amor não egoísta e devocional aos doentes e necessitados. Isso foi uma inspiração para todos. Sobressaiu-se na pureza de vida e na caridade com todos. Ela era procurada para dar aconselhamento espiritual e teve uma grande influência no espírito religioso de seu tempo.

Atribui-se a ela a fundação e promoção de uma fraternidade de agostinianos seculares em Como.

Sua devoção à Igreja e sua aliança com o Bispo de Roma durante um período de agitação e cisma na Igreja, juntamente com seu firme compromisso e renovação da vida religiosa, também são marcas especiais de sua vida.

Em seus últimos anos de vida, ela mesma sofreu de uma séria doença. Isso a debilitou por anos, o que fez com que limitasse grandemente sua participação nas atividades da comunidade.


Depois de brilhar por suas virtudes, ela morreu em maio de 1465, provavelmente no dia 15.

O número de fiéis que vieram para venerar seu corpo e procurar sua intercessão foi tão grande que seu enterro teve de ser atrasado por oito dias.

São Pio X confirmou seu culto em 1907.

Quando as freiras de Santo André partiram de Brunate para se juntarem ao mosteiro de Santo Julião perto de Como em 1593, o corpo de Madalena foi também transferido e agora seus restos conservam-se na Catedral de Como onde ela ainda é venerada por fiéis. A Família Agostiniana lembra Madalena no dia 17 de julho.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
DESTACAMOS

CSA-Leblon: Dia Vocacional Missionário para o Ensino Médio

Pastoral CSA- Leblon – Os alunos do Ensino Médio participaram …

20 de outubro: Santa Madalena de Nagasaki

Padroeira da Fraternidade Secular Agostiniana Recoleta Frei Jose Roberto Mason …

Cinco ideias do Congresso sobre a Vida e a Dignidade Humana

O Centro de Espiritualidade Agostiniano Recoleta da Andaluzia realizou, de …

ARTIGOS RELACIONADAS
COMENTÁRIOS