Viver a Páscoa com Santo Agostinho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Frei Sérgio Sambl – Estamos na Semana Santa e quinta-feira, ainda que em muitos lugares apenas virtualmente, daremos o inicio do Tríduo Pascal com a Missa vespertina na  Ceia do Senhor. Em meados do século II, as comunidades cristãs fixaram um domingo anual para celebrar a páscoa com maior solenidade. Com o tempo, em torno da vigília se organizou o tríduo pascal: Sexta da Paixão (que se inicia nas vésperas com a memória da Ceia do Senhor), Sábado da Sepultura e Domingo da Ressurreição, com seu ponto alto na Vigília Pascal.

O Papa Emérito Bento XVI numa audiência de 12 de abril de 2006 citava Santo Agostinho “Portanto, preparemo-nos para celebrar o Tríduo pascal acolhendo a exortação de Santo Agostinho:  Considera agora atentamente os três dias santos da crucifixão, da sepultura e da ressurreição do Senhor. Destes três mistérios realizamos na vida presente aquilo de que a Cruz é símbolo, enquanto cumprimos através da fé e da esperança aquilo que a sepultura e a ressurreição simbolizam.” 

Os elementos que caracterizam a Missa da Ceia do Senhor são o Lava – pés, o Mandamento Novo e a Instituição da Eucaristia. Sendo que Agostinho mesmo apresenta o amor como “seu peso”, destacamos recorremos ao comentário que Agostinho faz sobre o Evangelho de São João para nos aprofundarmos neste novo mandamento: “Na verdade, este mandamento renova o homem que o ouve, ou melhor, que lhe obedece; não se trata, porém, do amor puramente humano, mas daquele que o Senhor quis distinguir, acrescentando: «Como Eu vos amei», (…) «para os membros terem a mesma solicitude uns para com os outros. (…) Porque eles ouvem e observam a palavra do Senhor: «Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros». Não como se amam os que vivem na corrupção da carne; nem como se amam os seres humanos apenas como seres humanos; mas como se amam aqueles que são «deuses» (Jo 10,35) e «filhos do Altíssimo» (Lc 6,35). Deste modo, tornam-se irmãos do Filho Unigênito de Deus, amando-se uns aos outros com aquele amor com que Ele os amou, e por Ele serão reconduzidos à plenitude final, onde os seus desejos serão completamente saciados de bens. Então nada faltará à sua felicidade, quando Deus for «tudo em todos» (1Cor 15,28).”

Este amor presente nos gestos, discursos e mandamento de Cristo se revela como entrega total e dom na cruz, portanto, após a Ceia do Senhor, entramos na sexta-feira da Paixão.  Após contemplar a Paixão de Cristo entramos na espera do Sábado Santo, e sabemos o quanto a vigília pascal é significativa para Santo Agostinho, ele mesmo no sermão 209 a chama de ”mãe de todas as vigílias”, e após sua conversão ingressa na Igreja, pelo batismo no dia , 24 de abril de 387, vigília pascal,  batizado em Milão por Santo Ambrósio.

“Nós sabemos e acreditamos com fé certíssima que Cristo morreu só uma vez por nós […]. Sabeis perfeitamente bem que tudo isto foi feito apenas uma vez e ainda assim a solenidade periodicamente o renova […]. Verdade histórica e solenidade litúrgica não estão em contradição entre si, como se a segunda fosse falácia e somente a primeira correspondesse à verdade. Do que a história afirma ter acontecido uma só vez na realidade, a solenidade renova muitas vezes a celebração nos corações dos fiéis” (Sermão 220). Que possamos caminhar com Santo Agostinho nestes dias Santos, contemplar a Paixão de Cristo e encontrar no Ressuscitado vida nova e esperança para nossa caminhada.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
DESTACAMOS

FAMÍLIA AGOSTINIANA RECOLETA NO BRASIL PROMOVE LIVE VOCACIONAL

“Todos eles, unânimes, perseveravam em oração e súplicas.” (Atos dos …

A Equipe de Revitalização da Ordem avalia seu trabalho e traça planos para o ano de 2022

Frei  Bruno N. D’Andrea | Roma | A Equipe de …

JAR PORTEL: 18 ANOS DE HISTÓRIA

Mabel Albuquerque – Em meados de 2002, no município de …

ARTÍCULOS RELACIONADOS
COMENTARIOS