Semeando esperança em meio ao medo, dúvida e desespero

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

| Frei Julián Vallejos | O ano de 2020 marcará um antes e um depois na história da humanidade, pois apesar do avanço da ciência e da tecnologia, nós seres humanos percebemos o quão frágeis e vulneráveis somos. Na verdade, o Covid-19 foi capaz de nos fazer ver que não podemos controlar tudo. Não possuímos nada nem ninguém. Não nos salvamos sós: necessitamos que os nossos irmãos tenham saúde, porque se não o forem, nem nós. Essa pandemia paralisou toda a humanidade, desde os países mais poderosos aos mais pobres e fracos, demonstrando nossa fragilidade em toda sua magnitude.

Da mesma forma, esta crise mundial afetou fortemente a ilha cubana, especialmente em termos de economia e alimentação. Os alimentos básicos eram escassos e os preços disparavam com o passar das semanas e dos meses. O setor da saúde também sofreu consequências desastrosas; a escassez de remédios estava afetando os doentes; presenciamos uma pessoa que morreu por falta de remédios. Toda essa realidade influenciou os sentimentos da sociedade cubana, muitas pessoas foram vítimas do desespero, do desânimo, da perda de sentido, do pessimismo, resumidos em uma frase: “Não é fácil”.

Esta pandemia também afetou nosso trabalho pastoral, declarada a quarentena foram fechados: , aeroportos, rodoviárias interprovinciais e com o convite para ficar em casa, nossas celebrações nas paróquias foram enfraquecidas. No entanto, a nossa presença nunca faltou nas paróquias, com a Eucaristia a portas fechadas, com um número reduzido de pessoas, tocando os sinos para que as pessoas se unissem, desde a sua casa e, desta forma, estar juntos através da oração

Além disso, na Semana Santa o trabalho foi feito em equipe; os frades, as religiosas Discípulas do Bom Pastor e uma virgem consagrada da paróquia de Banes. Preparamos os sinais e símbolos mais representativos da Quaresma e da Páscoa, tornando-se assim a forma de evangelizar e acompanhar as pessoas, despertando a esperança de que em várias pessoas dormiam e em outras estava perdida. Ao mesmo tempo, pondo em prática o que foi solicitado na carta que o prior geral dirigiu aos religiosos em 2017, sobre a missão de Cuba; no qual se propôs uma missão intercongregacional.

A comunidade religiosa viveu essa realidade com tranquilidade e serenidade, o que nos ajudou a refletir mais sobre o nosso ser como agostinianos recoletos e, especificamente, como missionários junto ao povo cubana. Além disso, aproveitamos o tempo fazendo algum trabalho manual na casa onde moramos, combinando oração, trabalho manual e trabalho pastoral.

Nossa presença em Cuba

Por outro lado, nossa presença em Cuba é significativa porque a realidade pastoral da Igreja cubana tem muitas dificuldades em várias dimensões: primeiro, estamos em um país não confessional, em uma sociedade onde a religião passou por muitas mudanças significativas, a ponto de acabar com tudo que se refere à religião. O povo cubano passou por uma série de processos dolorosos que deixaram sua marca na vida cristã católica. Agora somos uma minoria, e, dessa minoria, continuamos semeando a semente do evangelho, embora não vejamos os frutos esperados.


Em segundo lugar, o problema econômico afeta toda a população cubana e, portanto, também a Igreja. Nesse sentido, há pouca iniciativa por parte dos fiéis, muitos deles estão submersos na passividade e isso não nos permite avançar, eles se acostumaram a tudo que lhes chega de fora, manifestando a falta de compromisso por parte da maioria. Porém, a crise se agravou com o processo da unidade monetária que entrará em vigor a partir de janeiro de 2021. O povo cubano vive uma enorme incerteza: perdeu a esperança, não sabe o que acontecerá depois, parece que está entrando um túnel onde não conseguem perceber nenhuma luz que indique a saída.

É nestes momentos de crise que a nossa presença é mais significativa. É nesta realidade concreta, em que devemos semear a esperança de ser profetas do Reino que anuncia a Boa Nova e escuta a voz de Deus no clamor deste povo. Sabemos que acompanhar estes momentos não é fácil, mas confiamos em Deus, e temos a certeza que ele será a nossa luz e encontraremos caminhos para continuar a espalhar alegria e esperança num povo desorientado e desesperado.

O apoio solidario

Dada a situação económica, graças ao apoio de ARCORES e de outros benfeitores, que apoiam do silêncio, temos podido ajudar as pessoas na entrega de alguns meios de subsistência que poderíamos obter; para outros, pagando a conta de luz, água; comprar gás deles; ou fornecendo-lhes alguns medicamentos, conforme a necessidade. Essas ações, mesmo que pequenas, são muito valorizadas por pessoas que são muito gratas. Também estamos satisfeitos porque graças a esta ajuda podemos compartilhar com as pessoas que mais precisam.

Retiro de advento

Não quero deixar de lado a experiência do retiro do Advento que nós, os quatro religiosos vivemos junto com os fiéis das quatro paróquias e pequenas comunidades missionárias, preparando-nos para o Natal. Foram momentos gratificantes para todos; pois fortalece nosso sentido de comunidade e, ao mesmo tempo, nos permite transmitir nosso carisma agostiniano recoleto, que é a comunidade.

Desejo continuar motivando os religiosos e os que se encontram em fase de formação a apostar na missão porque fortalece a nossa fé; nos ajuda a aprofundar a experiência de ser agostinianos recoletos; e porque nos lembra que somos uma Igreja em missão. Foi o Senhor que nos escolheu para servir e acompanhar Cristo que aparece nos desamparados; em quem lhe pede um pão; em quem levanta a mão, quando você passa de carro (porque estão esperando o transporte há mais de cinco horas e não conseguem encontrar); no acamado que não tem cama para se deitar; no paciente que pede remédio e não precisa comprar ou não encontra em lugar nenhum; no desesperado que precisa ser escutado e ouvir uma palavra de esperança … Por tudo isso acho que vale a pena fazer esta experiência missionária e, sobretudo, fortalecer nossa vocação para sermos chamados e escolhidos por Deus.

Que o «recém-nascido» continue motivando cada um de nós, religiosos, a responder com generosidade ao apelo que o Senhor nos fez de viver com alegria a nossa consagração, semeando esperança nas pessoas que vivem desanimadas e caídas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
DESTACAMOS

FAMÍLIA AGOSTINIANA RECOLETA NO BRASIL PROMOVE LIVE VOCACIONAL

“Todos eles, unânimes, perseveravam em oração e súplicas.” (Atos dos …

A Equipe de Revitalização da Ordem avalia seu trabalho e traça planos para o ano de 2022

Frei  Bruno N. D’Andrea | Roma | A Equipe de …

JAR PORTEL: 18 ANOS DE HISTÓRIA

Mabel Albuquerque – Em meados de 2002, no município de …

ARTÍCULOS RELACIONADOS
COMENTARIOS