Agostinianos Recoletos
  • Home
  • Uncategorized
  • O Brasil celebrou o dia de Santo Tomás de Vilanova com uma ordenação sacerdotal.
Artigo Bispos Brasil Prior Provincial Santos Agostinianos Seminários e vocações Uncategorized

O Brasil celebrou o dia de Santo Tomás de Vilanova com uma ordenação sacerdotal.

“O Senhor ama o carisma Agostiniano Recoleto, na Amazonia e em todo lugar, além fronteiras”. (Dom Antônio Assis – Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará).

A Homília de Dom Antônio na ordenação sacerdotal de Frei Max – Festa de Santo Tomás de Vilanova.

|Frei Tiago Coelho | É uma manhã de alegria para a Província Santo Tomás de Vilanova. Em cada vocação o Senhor diz que ama a Ordem dos Agostinianos Recoletos, ama nossa Igreja. Toda vocação é um ato de benevolência de Deus para conosco. Significa que o Senhor ama o carisma Agostiniano Recoleto, na Amazônia e em todo lugar, além fronteiras. Nossa vocação é a benevolência de Deus conosco, com a Igreja e a Ordem Agostiniana Recoleta. Frei Max é um fruto desta graça.

Tive a oportunidade de conviver e servir junto com os frades OAR no interior do Amazonas e em Manaus. Com esta lembrança gostaria de ressaltar três aspectos da vocação sacerdotal, três atitudes fundamentais. O primeiro é: “Eu só, não posso levar a todo este povo”, diz Moisés (Num 11,11). Trata-se da atitude da humildade; somos servos e não podemos servir sozinhos; o sacerdócio não pode ser carregado sozinho, assim como a vocação matrimonial.

O Senhor que nos chamou nos precede; a beleza do sacerdócio supera nossas forças, vai muito além de nossos talentos e virtudes. “Carregamos este tesouro em vasos de barro” (2Cor 4,7). Superar minhas forças, como para Moisés, significa ser frágil. Por que o sacerdócio pesou para Moisés e para nós? Porque o que vem de Deus pesa, é consistente, não é leviano.

O segundo aspecto da vida sacerdotal diz respeito a quando nos esvaziamos da vida contemplativa e nos transformamos em meros assistentes sociais. Como pastor necessitamos cuidar do povo, ter compaixão, ser profetas, o que pesa, às vezes. Pois, temos várias dimensões no nosso sacerdócio. Necessitamos ser presença afetiva com os irmãos de comunidade, no meio do povo, acolher e sanar, ser hospital para o povo. Somos chamados a ser hospitaleiros.

Um terceiro aspecto da vida sacerdotal, em forma de pergunta, é: O quê evitar? A autoreferencialidade, a arrogância, a prepotência, o clericalismo, querer carregar o povo sozinho; ser um sacerdócio com nariz empinado, que vive um egoísmo solitário, que gera o “euísmo” solitário.

“Todo sacerdote é tirado do meio do povo” (Hb5,1-10) para servir o povo. Seria uma contradição imensa ter um sacerdote de nariz empinado; um caboco que olha com soberba para os outros. É necessário consciência de igualdade, irmandade. Assim mesmo, atitudes de serviço, compaixão com o povo. Se perdemos este direcionamento vamos nos encher de fantasias. Olhemos para a atitude de Jesus, pobre humilde servo, até a morte de cruz.

“Jesus enviou seus discípulos dois a dois”. Quer dizer, o sacerdócio tem uma dimensão fraterna, comunitária. Somos seres chamados a ser fraternidade entre os frades; nenhum de nós serve isoladamente. Daí deriva a cultura do encontro, da união, da proximidade. Somos chamados à crescer na capacidade de amar, de compartilhar nossas alegrias e sofrimentos. Necessitamos compartilhar com os irmãos, nossos superiores, nosso bispo. Compartilhamos os desafios da missão em nossa comunidade religiosa assim como com o povo.

Somos chamados a partilhar sonhos e alegrias. Desde o compartilhar assumo o compromisso da animação vocacional. Necessitamos olhar para o alto, para nosso futuro, e não para baixo. Trata-se da dimensão “futurista” do sacerdócio. Que o Senhor te conceda Frei Max, perseverança e fidelidade.

#prelaziadomarajo
#SomosOAR

“Queridos frades, irmãos leigos e leigas, Dom Antônio, hoje é um dia muito especial não somente para mim, mas para toda nossa Ordem. Quero dar graças à Deus por minha família, amigos de Salvaterra e conterrâneos; amigos de longas datas e caminhadas. Agradecer aos frades de Portel e Breves, assim como os irmãos de Venezuela, Argentina, Perú, Espanha e Filipinas”.

Frei Antônio Max OAR – Em ação de graças por este dia tão especial na vida de nossa Ordem.

“A família OAR também vem passando por momentos difíceis. Daí nossa gratidão a Dom Antônio de Assis, por lembrar que cada vocação é um presente de Deus para nós. Já estava na hora de termos um dia de alegria e festa,  depois de tanta tribulação. Agradeço a Deus por seu “sim”, Frei Max, e por sua família. Pude acompanhá-lo no tempo da formação inicial. Obrigado! Creio que vais fazer muito bem ao nosso povo do Marajó”.

Frei Miguel Ángel Hernández – Prior Provincial da Província Santo Tomás de Vilanova.


Noticias Relacionadas

Construyendo un sueño llamado CEAR

Vanesa Pagiola

BlackRock’s Rieder Halved Fund’s Emerging Market Exposure

admin

“Somos membros do povo de Deus, discípulos missionários”

Sergio Sambl

Assim foi celebrado Semana Santa no Brasil

Vanesa Pagiola

Pruitt’s Successor Wants Rollbacks, Too. And He Wants Them to Stick

admin

Ciclo de Lives Agostinianas

Vanesa Pagiola

Deja un comentario