Agostinianos Recoletos
  • Home
  • Espanha
  • Entrevista com frei Pedro Merino: «Temos que baixar a fumaça e armarmos de humildade para não crermos em deuses»
Entrevistas Espanha

Entrevista com frei Pedro Merino: «Temos que baixar a fumaça e armarmos de humildade para não crermos em deuses»

O monastério abrirá as suas portas ao turismo no dia 01 de julho

Por Nicolás Vigo | O mosteiro de San Millán de la Cogolla é cercado pelas montanhas do município de San Millán, em La Rioja (Espanha), longe das grandes cidades e envolto em um ambiente de silêncio e solidão.

Durante a pandemia, a comunidade dos frades Agostinianos Recoletos que vivem no mosteiro não foi afetada; ao contrário, o estilo de vida monástico que eles levam, resultou em benefícios.

Recoletosstv.com queria saber como esses frades viveram essa pandemia que devastou o mundo inteiro. Para isso, conversamos com o prior da comunidade, Fray Pedro Merino, que também nos falou sobre o futuro do turismo oferecido por este mosteiro, por se tratar de “Patrimônio Cultural da Humanidade”.

Frei Pedro Merino

Frei Pedro, quantos religiosos compõem a comunidade atual e quantos anos eles têm?

A comunidade religiosa do Mosteiro de Yuso de San Millán de la Cogolla é composta por 10 religiosos, incluindo Dom José Carmelo Martínez Lázaro, bispo de Cajamarca, que está desfrutando de um ano sabático entre nós, para recuperar sua força e ganhar novo impulso. Compartilha conosco todos os atos comunitários e vive a vida agostiniano recoleta como em seu tempo de professo. Estamos satisfeitos com a sua presença e agradecemos a sua disponibilidade. De nossa parte, fazemos tudo o possível para que você se sinta querido como irmão. Por seus gestos de confiança e pela paz que ele desfruta, temos certeza de que ele se sente assim. Obrigado, Monsenhor, por nos escolher para este período de encontro.

Nossa idade é algo muito relativa, porque o que realmente conta em nossa atitude positiva, aberta e acolhedora. No caso de alguém se interessar por estatísticas, nossa idade está dentro de um intervalo que varia de 50 anos, entre o mais idoso e o mais jovem.

San Millán de la Cogolla é «Patrimônio Cultural da Humanidade», como vocês levam este título?

Adoramos saber que somos “Patrimônio da Humanidade”. E levamos muito a sério esse “patrimônio”, não apenas em relação ao mosteiro, onde servimos ao visitante com arte, cultura, história, religiosidade e explicamos a importância decisiva das Glosas emilianenses. Também nos sentimos o “Patrimônio da Ordem”, como herdeiros de uma história da ordem que passou solenemente por este mosteiro desde 1978, quando os primeiros agostinianos recoletos com Frei Íñigo Narro e Mons. Toribio Minguella pisaram nesses claustros, como primeiros priores a frente de uma missão que estava tomando forma até alcançar a realidade de hoje. História que se enraíza em 1908 com a celebração neste mosteiro do Capítulo Geral da congregação em que o Frei Enrique Pérez foi eleito Vigário Geral. Uma placa de mármore na sacristia atesta um evento tão importante. Por isso e pelo que esse mosteiro representa hoje para o mundo e para a ordem dos agostinianos recoletos, sentimo-nos “Patrimônio da ordem”.

A pandemia na Espanha tem sido dura: milhares de infectados e mortos. Como a comunidade viveu essa realidade?

Para todos, foi um golpe inesperado e muito difícil. Vivemos a pandemia com admiração, muito atentos à sua evolução e à dor. Embora o contágio não tenha chegado até nós (um gesto que agradecemos ao Pai e ao nosso padroeiro San Millán) desde o primeiro momento, assumimos essa dor universal como nossa. Seguimos as regras do confinamento com o melhor senso de colaborar com a saúde de todos e fizemos muito bem. Nenhum religioso sentiu o menor problema.

A vida da comunidade se beneficiou com esse teste. O fato de todos ficarmos no mosteiro nos permitiu celebrar a Eucaristia todos os dias, inclusive aos domingos e feriados, quando os padres costumam celebrar em suas paróquias. A Semana Santa e o Tríduo Sagrado foram momentos de especial relevância, pois ninguém se lembra de tê-los vivido em comunidade.

Por outro lado, para nós estarmos confinados no mosteiro não tem sido um fardo, porque temos espaços muito grandes em nossos domínios. Conseguimos caminhar e nos mover com belas perspectivas e um verde luxuriante, graças às chuvas abundantes. Para nós veio o clamor das pessoas confinadas em suas casas, sem nos afetar.

O que vocês fizeram no mosteiro durante esse tempo?

Precisamente por causa dessa circunstância adversa, fomos capazes de fazer muitas coisas que não são fáceis de garantir com o ritmo comum. Tivemos muito tempo livre à nossa disposição e aproveitamos isso. Não era uma questão de acordar mais tarde, devido à ausência de tarefas, ou olhar pela janela, para se sentir livre, mas, ao contrário, saber como estar ocupado por dentro com o que fazer. Além de participar de eventos da comunidade, que não sofreram alterações, cada um administrou seu tempo de acordo com seus próprios critérios e necessidades. Alguns interpretaram essa oportunidade como providencial. Chegou a hora de revisar pastas, arquivos e muitas “coisas” armazenadas e adormecidas na preguiça. Um lugar para tudo e tudo no seu lugar. Descobrimos que “outra ordem é possível” e que o que não é usado em três ou cinco anos ocupa um lugar que não corresponde a ela. Agora dá gosto ver alguns escritórios ou armazéns. Eles estavam irreconhecíveis, tanto os pessoais como os comunitários.

Sem ilusões, levamos em conta que organizar e colocar ordem no “espaço sideral” já é uma conquista que está à vista. Mas isso é pouco. Batemos à porta do “homem interior”; existe o que é realmente importante, onde arriscamos nossa identidade. Também tivemos tempo para isso. Para onde chegamos? Nós não temos um medidor de intensidade ou fidelidade ao Espírito. Pelo menos sabemos que estamos conectados e, por nossa parte, estamos dispostos a ouvir. Nós vamos dar esse tempo para ligar ou acordar. Sim, somos claros que “não há mal que para o bem não venha”.

Os párocos religiosos, que servem as cidades vizinhas de Valle e Villar de Torre, tentaram se fazer presentes, principalmente através da mídia, a seus paroquianos, para encorajá-los e incentivá-los, especialmente aqueles que moram sozinhos estão doentes.

Como isso impactou a saúde emocional dos religiosos?

Não percebi um impacto no sentido negativo de alguém ter sido afetado por desajustes emocionais. O fato da pandemia, como uma realidade externa, bastante estrangeira, não quebrou os sistemas pessoais. Foi como um alarme, avisando que algo sério está próximo, mas que não é a sua vez. Tivemos a sensação de segurança prudente e vivemos tranquilos.

Essa paz não nos tornou insensíveis à dor dos outros, senão agradecidos àqueles que nos chamaram a se interessar por nós: o padre provincial e vigário provincial, de outras comunidades, membros da família e muitos leigos que se relacionam conosco. Nós retribuímos esses gestos com chamados e nossa lembrança pela oração diante do Senhor. Obrigado a todos.

Sabemos que o monastério é “o berço da língua castelhana” e que o turismo é intenso. Como isso afetou a sua economia?

As visitas ao monastério foram canceladas em 13 de março, como uma medida antes do aviso de perigo de infecção por Covid-19. Talvez essa prudência tenha nos libertado do contágio. É claro que o fechamento do monastério supõe a eliminação de renda mais importante para a comunidade. Mas era uma medida necessária, por isso a tomamos decisivamente. Antes de tudo, a própria saúde e a dos outros estavam em risco. Para reduzir o impacto econômico devido à falta de renda do turismo, aceitamos os regulamentos legais que nos permitiam registrar na ERTE as pessoas que prestam seus serviços como guias e limpeza do mosteiro. Tem sido uma grande ajuda. De qualquer forma, desde o primeiro momento, o padre vigário provincial e o tesoureiro do vicariato se apresentaram para nos tranquilizar, oferecendo-se como fiadores da economia.

Quando o monastério reabrirá para receber os turistas?

Para tomar uma decisão contrastante e objetiva, estivemos em contato com outros monumentos em La Rioja e acompanhamos o ritmo da entrada no “novo normal”, ou seja, a livre circulação entre comunidades era permitida, o que de alguma forma garante a vinda de turistas. Vamos reabrir o monastério para visitas turísticas em 1º de julho de 2020. Entendemos que, por enquanto, a princípio, as visitas não serão enormes. Mas assumimos o desafio como um serviço para visitantes em potencial, a quem não queremos privar de um importante ponto de destino. Nós somos “Patrimônio da Humanidade” e isso é uma reivindicação para muitos visitantes.

Que lição os frades aprendem sobre essa pandemia?

Cada um irá sacar as suas. Mas há uma que é clara e que se tornou viral nas redes: nós não somos os donos da vida; é um presente de Deus, que devemos cuidar e administrar cuidadosamente. Algo aparentemente insignificante colocou o mundo sob controle e trouxe dor e morte sem respeitar culturas, raças ou conhecimentos. Temos que abaixar a fumaça e nos armar com humildade, para não acreditar que somos deuses. E, acima de tudo, olhando para cima, para restabelecer a comunicação com Deus, o Pai da vida.

As consequências da pandemia foram devastadoras devido às mortes e à dor que ela trouxe. E o mal não termina aí; continuará afetando socialmente, economicamente e humanamente milhões de pessoas que perderam o emprego, a empresa e o modo de vida. Todo esse dano e dor serão suficientes para nos levar a sério a vida, ritmo e desordem com os quais vivemos? Seremos capazes de mudar a nós mesmos, para que o mundo mude? Nada vai mudar se não mudarmos. Da fé, não há dúvida de que Deus falou em voz alta. Ele ainda está lá e espera que atendamos sua ligação, mais uma. A resposta é de todos.

A pandemia chegou à América Latina para ficar. Como você observa essa realidade?

Não podemos evitar a preocupação, diante do efeito entre nós. E, ao mesmo tempo, abrimos uma janela para a esperança. Pedimos que seja suave. (Traduzido por Rodolfo Pereira)

Noticias Relacionadas

Los colegios de España fortalecen sus equipos directivos

Rafael Nieto

El prior provincial visita la comunidad de Hospitalicos (Granada)

Vanesa Pagiola

Visita de renovación a la Comunidad de Motril

Vanesa Pagiola

Visita de renovación a la comunidad de Guadalajara

Vanesa Pagiola

11 Jovens deram inicio ao Noviciado

Sergio Sambl

O prior provincial oferece dados sobre a pandemia, cumprimenta por Santa Rita e comunica a entrega da paróquia Santa Rita de Igarapava.

Sergio Sambl

Deja un comentario