Agostinianos Recoletos
  • Home
  • Notícias
  • A família agostiniana recoleta se pronuncia: “As consequências da pandemia do COVID-19 podem ser até mais prejudiciais que o mesmo vírus”
ARCORES Escolas Notícias Prior Geral

A família agostiniana recoleta se pronuncia: “As consequências da pandemia do COVID-19 podem ser até mais prejudiciais que o mesmo vírus”

Junta dirige uma mensagem de unidade e esperança.

| Nicolás Vigo | O Prior geral da Ordem dos Agostinianos Recoletos, as madres das Agostinianas Recoletas de Espanha e Mexico, a madre geral das Agostinianas Descalças; as superioras gerais das Irmãs Agostinianas Recoletas, Missionarias Agostinianas Recoletas, Agostinianas Recoletas do Coração de Jesus, Agostinianas Recoletas dos Enfermos e Comendadoras de Santiago se pronunciaram através de uma carta conjunta “para oferecer uma reflexão em comum, diante da situação criada pela pandemia COVID-19 no mundo, na Igreja e em nossos ministérios e comunidades”, diz o texto.

Um tempo de sofrimento

Os religiosos classificam essa experiência como um tempo de sofrimento que foi suportado graças à oração: «Para todos nós, este foi um tempo de sofrimento. Sofremos e sofremos com aqueles que sofrem em nossas comunidades religiosas, em nossas famílias, paróquias e centros educacionais e em todo o mundo. Sentimos a morte de queridos irmãos que nos deixaram inesperadamente, vítimas do coronavírus; sua memória permanece e o bem que fizeram. Estamos preocupados e são objeto de nossa oração contínua, os irmãos internados em hospitais ou confinados em suas casas ou quartos ».

Tempo para orações e iniciativas digitais

Da mesma forma, reconhecem as diferentes iniciativas que a família agostiniana recoleta empreendeu em todo o mundo: “Sabemos que, neste período de confinamento, a oração de muitas comunidades, de jovens JARs, de fraternidades e centros de espiritualidade se intensificou. . Em primeiro lugar, nossas irmãs contemplativas o fizeram, que não deixaram de orar ao Senhor pedindo a saúde humana e espiritual dos membros de nossa Família e de todo o mundo.

Eles também destacam a importância da oração on-line através de plataformas virtuais que foram abertas em diferentes lugares para acompanhar a oração dos fiéis em todo o mundo: “Essa onda de oração, além disso, cobriu uma modalidade que nos parece nova e especialmente preciosa. Porque não só foi rezada na privacidade de cada grupo ou comunidade. Muitos deles criaram grupos de comunicação e plataformas telemáticas para orar juntos, ou transmitiram on-line a Eucaristia da qual os leigos e até algumas comunidades religiosas foram privados. Assim como os profissionais de saúde e tantas pessoas simples foram tocados por gestos compassivos, a crise estimulou a criatividade em nós, na diversidade e unidade que o Espírito desperta ».

O comunicado também inclui as várias iniciativas das faculdades agostinianas e das diferentes instituições: “O cuidado pastoral de homens e mulheres religiosas que estão em missões e paróquias também não foi raro. Os centros educacionais ministraram aulas “online”. As associações nacionais da ARCORES iniciaram pequenos projetos em face da pandemia. Temos recebido informações sobre as iniciativas adotadas nas congregações de mulheres, nas províncias, nos vicários, nas comunidades e nas obras apostólicas, bem como na disposição de colaborar com agências de saúde, dioceses e outras instituições “.

O que acontecerá depois do COVID – 19

Os superiores exortam os religiosos a manter “austeridade” e “generosidade”, ao mesmo tempo que estão conscientes do impacto social e econômico de sair da pandemia: “As consequências da pandemia do COVID-19 podem ser ainda mais prejudiciais do que o mesmo vírus, especialmente para as comunidades mais vulneráveis ​​que vivem nos países mais desprotegidos. A crise da saúde terá um impacto social, no trabalho, na economia, nas relações humanas e também em nossa missão evangelizadora. Os reajustes econômicos de cada país vão exigir uma maior austeridade de nós, enquanto permanecem generosos diante da necessidade de famílias que cairão em precariedade. Todos esses fenômenos que vão caracterizar esta época são um chamado à imaginação da caridade, para sermos criativos, a fim de sermos mais humanos, encontrarmos Deus, a nós mesmos e aos outros.

Da mesma forma, recordam o testemunho dos santos agostinianos com os pobres e expressam que agora cabe aos religiosos responder com a mesma caridade: “Em nossa história, são abundantes os testemunhos de comunidades que se distinguiram por estarem perto daqueles que sofrem. , dos pobres e necessitados. Os melhores exemplos são nossos santos: São Nicolau de Tolentino, São Tomás de Vilanova, São Ezequiel, Madre Mariana de São José, Bem-aventurada Maria de São José, Irmã Cleusa e muitos outros. Sua memória continua sendo um exemplo de caridade para com os desamparados, idosos e crianças abandonadas. Por esse motivo, eles lembram que “agora depende de nós. Nossa herança carismática exige isso de nós, e o Papa Francisco também nos convoca ».

Invocação à unidade

Por essa razão, eles sabem que hoje mais do que nunca é necessária a unidade para um melhor serviço aos outros: «Agora precisamos estar unidos. Todos temos a missão de sermos solidários e espalhar a esperança: cúria geral, províncias e comunidades; centros educacionais e faculdades, paróquias, fraternidades, grupos JAR, centros de espiritualidade, cada um de nós pode contribuir com algo, sacrificando-se pelos outros. E podemos incentivar outras pessoas a colaborar e ajudar da maneira que puderem. ”

O papel da ARCORES

Eles também apontam para a ARCORES como a pessoa indicada para assumir a liderança nesta resposta: «Nossa rede de solidariedade internacional da ARCORES e cada uma das associações nacionais terão que preparar seus projetos e obter recursos em seu próprio país para responder às necessidades urgentes causadas pelo pandemia”.

Afirmam também que as ARCORES internacionais e nacionais já estão trabalhando em várias iniciativas; por esse motivo, todos são chamados a se envolverem de três maneiras complementares: “Contribuir com recursos financeiros, colaborar através do voluntariado e ceder meios materiais ou bens imóveis”.

Finalmente, o documento termina exortando-nos a abrir nossos corações e pedindo saúde para todos: «Abramos nossos corações ao Espírito para que, como no Pentecostes, hoje também na Família Agostiniana Recoleta, unida a Maria, Mãe da Consolação, possamos ver o mundo. à luz de Cristo, enquanto a esperança cresce profundamente em nossos corações. Invoquemos a proteção de São José e peçamos ao Cristo Ressuscitado que dê saúde àqueles que sofrem a pandemia, bem como força a todos os que os atendem. Que o Senhor infunde a graça do Espírito Santo àqueles que são solidários e rezam por aqueles que sofrem tanto no corpo quanto no espírito “, ressalta.

Tradução: Frei Sérgio Sambl

Noticias Relacionadas

Las autoridades de la Orden y religiosos agustinos recoletos participaron en la ordenación episcopal de Mons. Darío Quintana

Nicolás Vigo

Vive la iJornada 19 formativa vía Twitter

admin

Obispos de la Triple Frontera amazónica: compromiso con víctimas de la trata de personas

Sergio Sambl

Las JAR de Perú preparan su Encuentro Nacional

Nicolás Vigo

Retiro digital das comunidades do vicariato da Argentina

Rodolfo Pereira

Encuentro de promotores vocacionales de la Vicaría de Perú

Nicolás Vigo

Deja un comentario